Archive for the ‘Ambiente’ Category

h1

Natureza e Sociedade: Balanço e Novas Opções para Portugal

21 Outubro 2008

  

Natureza e Sociedade: Balanço e Novas Opções para Portugal

4 e 5 de Dezembro de 2008

A conferência é promovida pela LPN – Liga para a Protecção da Natureza com o objectivo de promover um balanço dos resultados obtidos e perspectivar o futuro da Conservação da Natureza e Biodiversidade em Portugal.

Público-alvo

  • Organizações e indivíduos interessados na temática do ambiente que lidam directa ou indirectamente com as questões da Conservação da Natureza e da Biodiversidade.
  • Administração pública
  • Organizações Não Governamentais 
  • Associações profissionais
  • Empresas
  • Media
  • Universidades e Centro de Investigação; P
  • Professores do Ensino Secundário
  • Estudantes
Anúncios
h1

Livro – Pagamento de Serviços Ambientais

18 Outubro 2007

Livro On-line e Gratuito
Payments for Environmental Services – An Equitable Approach for Reducing Poverty and Conserving Nature

O pagamento por serviços ambientais tem recebido uma atenção crescente nos últimos anos, sendo encarado como um incentivo para a gestão sustentável dos recursos naturais, como uma forma de apoiar o funcionamento das áreas protegidas, e uma via de melhorar o nível de vida das populações que nelas habitam.

Neste contexto, o WWF produziu um documento onde discute as formas usuais de financiamento de serviços ambientais e propõe uma nova abordagem para tal, que pretende ser mais justa e eficaz do que as tradicionais na redução da pobreza e conservação da natureza.

Fonte: Naturlink

h1

Árvores – Estranhas, magníficas Árvores

16 Outubro 2007

 

As 10 mais belas, estranhas e magníficas árvores do planeta.

 

 

h1

Colecção – Árvores e Florestas de Portugal

28 Julho 2007

coleccaoarvoresflorestaspt.jpg

O jornal Público está a distribuir novamente a colecção de nove livros “Árvores e Florestas de Portugal” que foi produzido com o apoio da LPN – Liga para a Protecção da Natureza.

Hoje, 28 de Julho, é Dia Nacional da Conservação da Natureza e a LPN festeja o seu 59º Aniversário no jardim da sede, em Benfica-Lisboa num “Piquenique com Memória”, com o objectivo de partilhar memórias relativas à evolução ao longo dos tempos daquela que é a mais antiga associação de ambiente em Portugal.

Quem quiser participar neste evento deverá contactar a LPN para lpn.natureza@lpn.pt

h1

Outra vez o (não) uso da bicicleta…

26 Julho 2007

biclas.jpg

Há quase dois anos, escrevi um dos primeiros posts sobre a utilização de bicicletas na capital – Em vez de pedalar, a bicicleta à mão levar… – e as situações ridículas que algumas mentes mesquinhas impõem.

Hoje comento outra vez o mesmo assunto, incentivada pela notícia Portugueses entre os europeus que menos andam de bicicleta, que explica que o Português não usa a bicla. Os poucos que utilizam as duas rodas para as “actividades diárias” fazem parte de um mísero 1,1%, diz o Eurobarómetro.

Humm…Tantos que somos!

Motivos para justificar a não utilização das bicicletas não faltam:

  1. Os Portugueses são tão preguiçosos.
  2. Os condutores das viaturas de quatro rodas insistem em desrespeitar os ciclistas. Até a PSP desrespeita os sinais de trânsito!
    Sabem, aqueles sinais que ficam verdes para os peões e para os ciclistas, mas que estão laranja para os veículos motorizados? Há uns desses na Rotunda do Marquês, em Oeiras… Não sei se vos diga se vos conte… O desrespeito do sinalinho é lindo! Até a polícia…
  3. E as viaturas estacionadas em cima das passadeiras e das ciclovias?
    Em Oeiras, nem há imensas pessoas com cadeiras de rodas eléctricas, nem nada.
    Para quê respeitar os utilizadores das ciclovias? São locais mesmo convenientes para estacionar o carrinho…
    O que faz a PSP? Passa a vida junto ao centro de saúde na caça à multa, por excesso de velocidade, na Avenida da República.
  4. Como conduzir uma bicicleta em segurança se continua a haver falta de ciclovias por essas cidades?
  5. Como estacionar em segurança se não há parqueamentos apropriados?

 

Se pensa como a maioria das pessoas é porque nunca experimentou as alegrias de conduzir uma bicla de 21 mudanças. Se também pensa que usar as duas rodas significa chegar ao emprego emanando desagradáveis odores é porque nunca experimentou pedalar calmamente num percurso curto, com subidas pouco acentuadas.

Não resisto a contar que trabalham centenas de pessoas dentro dos muros da Estação Agronómica Nacional (EAN) e que se todos se lembrassem de levar as bicicletas não sei onde as estacionaríamos. Assim a EAN está recheadinha de automóveis e muita gente mora a menos de 2 ou 3 km dali…

Mas há uns “tont@s” que se lembram de ir a pedalar. Estacionam junto às canalizações externas do Instituto de Tecnologia Química e Biológica para poderem utilizar os cadeados. Só há 4 ou 5 canos. Se mais dois ou três se lembram da mesma graça, não sei o que faremos…

Rita, uma das “tontas”

 

P.S. Já pensou em ir para a praia de bicicleta? Não? Tem medo dos carros? Enquanto não disponibilizam ciclovias, faça como eu. Ao fim do dia, quando já não abundam os transeuntes, vá pelo passeio. Se encontrar peões, pare, olhe o pôr-do-sol e prossiga, sorrindo.
: -)

h1

Concurso Jovens Cientistas e Investigadores 2007

2 Março 2007

O Concurso Jovens Cientistas e Investigadores 2007 destina-se a premiar trabalhos desenvolvidos, por estudantes dos 15 aos 20 anos, em: Biologia, Ciências da Terra, Ciência do Ambiente, Ciências Médicas, Ciências Sociais, Economia, Engenharia, Física, Informática/Ciências da Computação, Matemática e Química.

Os jovens concorrentes devem frequentar o ensino básico, secundário, ou o 1º ano do ensino superior, e podem concorrer individualmente ou em grupo, no máximo de 3 elementos.

Serão atribuídos 4 Grandes Prémios, no valor de 1750, 1500, 1000 e 750 Euros, em material ou equipamento científico, de acordo com os interesses dos jovens. Serão ainda atribuídas Menções Honrosas, não pecuniárias, aos trabalhos que manifestamente apresentem índices de inovação e oportunidades relevantes.

O prazo limite de entrega dos trabalhos termina a 20 de Abril de 2007, devendo os mesmos ser entregues ou enviados para a Fundação da Juventude, as moradas que constam no regulamento.

h1

1 Março 2007-08 – Ano Polar Internacional, 50 anos depois

1 Março 2007

O Ano Polar Internacional (API) é um programa científico focado no Ártico e na Antártida e decorre em dois ciclos anuais de Março de 2007 a Março de 2009.

Milhares de cientistas de mais de 60 países partiparão em cerca de 200 projectos sobre tamas biológicos, físico-químicos e sociais.

As regiões polares encontram-se nos extremos gelados do planeta Terra, mas têm impactos globais no dia-a-dia de todos nós ao equilibrarem o clima, ao terem impactos no nível do mar, das regiões costeiras, nos ciclos da chuva e de neve. As mudanças nos glaciares influenciam a circulação das grandes massas oceânicas e o consumo de água pelas pessoas e na agricultura.

As comemorações do Ano Polar Internacional iniciaram-se hoje, 1 de Março de 2007,50 anos depois das celebrações do terceiro Ano Polar em 1957-8.

Pela primeira vez Portugal irá participar. Para saber tudo sobre as inúmeras actividades previstas de divulgação e investigação científica visite o site do Comité Português do Ano Polar Internacional.