Archive for the ‘Ambiente’ Category

h1

Natureza e Sociedade: Balanço e Novas Opções para Portugal

21 Outubro 2008

  

Natureza e Sociedade: Balanço e Novas Opções para Portugal

4 e 5 de Dezembro de 2008

A conferência é promovida pela LPN – Liga para a Protecção da Natureza com o objectivo de promover um balanço dos resultados obtidos e perspectivar o futuro da Conservação da Natureza e Biodiversidade em Portugal.

Público-alvo

  • Organizações e indivíduos interessados na temática do ambiente que lidam directa ou indirectamente com as questões da Conservação da Natureza e da Biodiversidade.
  • Administração pública
  • Organizações Não Governamentais 
  • Associações profissionais
  • Empresas
  • Media
  • Universidades e Centro de Investigação; P
  • Professores do Ensino Secundário
  • Estudantes
h1

Livro – Pagamento de Serviços Ambientais

18 Outubro 2007

Livro On-line e Gratuito
Payments for Environmental Services – An Equitable Approach for Reducing Poverty and Conserving Nature

O pagamento por serviços ambientais tem recebido uma atenção crescente nos últimos anos, sendo encarado como um incentivo para a gestão sustentável dos recursos naturais, como uma forma de apoiar o funcionamento das áreas protegidas, e uma via de melhorar o nível de vida das populações que nelas habitam.

Neste contexto, o WWF produziu um documento onde discute as formas usuais de financiamento de serviços ambientais e propõe uma nova abordagem para tal, que pretende ser mais justa e eficaz do que as tradicionais na redução da pobreza e conservação da natureza.

Fonte: Naturlink

h1

Árvores – Estranhas, magníficas Árvores

16 Outubro 2007

 

As 10 mais belas, estranhas e magníficas árvores do planeta.

 

 

h1

Colecção – Árvores e Florestas de Portugal

28 Julho 2007

coleccaoarvoresflorestaspt.jpg

O jornal Público está a distribuir novamente a colecção de nove livros “Árvores e Florestas de Portugal” que foi produzido com o apoio da LPN – Liga para a Protecção da Natureza.

Hoje, 28 de Julho, é Dia Nacional da Conservação da Natureza e a LPN festeja o seu 59º Aniversário no jardim da sede, em Benfica-Lisboa num “Piquenique com Memória”, com o objectivo de partilhar memórias relativas à evolução ao longo dos tempos daquela que é a mais antiga associação de ambiente em Portugal.

Quem quiser participar neste evento deverá contactar a LPN para lpn.natureza@lpn.pt

h1

Outra vez o (não) uso da bicicleta…

26 Julho 2007

biclas.jpg

Há quase dois anos, escrevi um dos primeiros posts sobre a utilização de bicicletas na capital – Em vez de pedalar, a bicicleta à mão levar… – e as situações ridículas que algumas mentes mesquinhas impõem.

Hoje comento outra vez o mesmo assunto, incentivada pela notícia Portugueses entre os europeus que menos andam de bicicleta, que explica que o Português não usa a bicla. Os poucos que utilizam as duas rodas para as “actividades diárias” fazem parte de um mísero 1,1%, diz o Eurobarómetro.

Humm…Tantos que somos!

Motivos para justificar a não utilização das bicicletas não faltam:

  1. Os Portugueses são tão preguiçosos.
  2. Os condutores das viaturas de quatro rodas insistem em desrespeitar os ciclistas. Até a PSP desrespeita os sinais de trânsito!
    Sabem, aqueles sinais que ficam verdes para os peões e para os ciclistas, mas que estão laranja para os veículos motorizados? Há uns desses na Rotunda do Marquês, em Oeiras… Não sei se vos diga se vos conte… O desrespeito do sinalinho é lindo! Até a polícia…
  3. E as viaturas estacionadas em cima das passadeiras e das ciclovias?
    Em Oeiras, nem há imensas pessoas com cadeiras de rodas eléctricas, nem nada.
    Para quê respeitar os utilizadores das ciclovias? São locais mesmo convenientes para estacionar o carrinho…
    O que faz a PSP? Passa a vida junto ao centro de saúde na caça à multa, por excesso de velocidade, na Avenida da República.
  4. Como conduzir uma bicicleta em segurança se continua a haver falta de ciclovias por essas cidades?
  5. Como estacionar em segurança se não há parqueamentos apropriados?

 

Se pensa como a maioria das pessoas é porque nunca experimentou as alegrias de conduzir uma bicla de 21 mudanças. Se também pensa que usar as duas rodas significa chegar ao emprego emanando desagradáveis odores é porque nunca experimentou pedalar calmamente num percurso curto, com subidas pouco acentuadas.

Não resisto a contar que trabalham centenas de pessoas dentro dos muros da Estação Agronómica Nacional (EAN) e que se todos se lembrassem de levar as bicicletas não sei onde as estacionaríamos. Assim a EAN está recheadinha de automóveis e muita gente mora a menos de 2 ou 3 km dali…

Mas há uns “tont@s” que se lembram de ir a pedalar. Estacionam junto às canalizações externas do Instituto de Tecnologia Química e Biológica para poderem utilizar os cadeados. Só há 4 ou 5 canos. Se mais dois ou três se lembram da mesma graça, não sei o que faremos…

Rita, uma das “tontas”

 

P.S. Já pensou em ir para a praia de bicicleta? Não? Tem medo dos carros? Enquanto não disponibilizam ciclovias, faça como eu. Ao fim do dia, quando já não abundam os transeuntes, vá pelo passeio. Se encontrar peões, pare, olhe o pôr-do-sol e prossiga, sorrindo.
: -)

h1

Concurso Jovens Cientistas e Investigadores 2007

2 Março 2007

O Concurso Jovens Cientistas e Investigadores 2007 destina-se a premiar trabalhos desenvolvidos, por estudantes dos 15 aos 20 anos, em: Biologia, Ciências da Terra, Ciência do Ambiente, Ciências Médicas, Ciências Sociais, Economia, Engenharia, Física, Informática/Ciências da Computação, Matemática e Química.

Os jovens concorrentes devem frequentar o ensino básico, secundário, ou o 1º ano do ensino superior, e podem concorrer individualmente ou em grupo, no máximo de 3 elementos.

Serão atribuídos 4 Grandes Prémios, no valor de 1750, 1500, 1000 e 750 Euros, em material ou equipamento científico, de acordo com os interesses dos jovens. Serão ainda atribuídas Menções Honrosas, não pecuniárias, aos trabalhos que manifestamente apresentem índices de inovação e oportunidades relevantes.

O prazo limite de entrega dos trabalhos termina a 20 de Abril de 2007, devendo os mesmos ser entregues ou enviados para a Fundação da Juventude, as moradas que constam no regulamento.

h1

1 Março 2007-08 – Ano Polar Internacional, 50 anos depois

1 Março 2007

O Ano Polar Internacional (API) é um programa científico focado no Ártico e na Antártida e decorre em dois ciclos anuais de Março de 2007 a Março de 2009.

Milhares de cientistas de mais de 60 países partiparão em cerca de 200 projectos sobre tamas biológicos, físico-químicos e sociais.

As regiões polares encontram-se nos extremos gelados do planeta Terra, mas têm impactos globais no dia-a-dia de todos nós ao equilibrarem o clima, ao terem impactos no nível do mar, das regiões costeiras, nos ciclos da chuva e de neve. As mudanças nos glaciares influenciam a circulação das grandes massas oceânicas e o consumo de água pelas pessoas e na agricultura.

As comemorações do Ano Polar Internacional iniciaram-se hoje, 1 de Março de 2007,50 anos depois das celebrações do terceiro Ano Polar em 1957-8.

Pela primeira vez Portugal irá participar. Para saber tudo sobre as inúmeras actividades previstas de divulgação e investigação científica visite o site do Comité Português do Ano Polar Internacional.

h1

Tirado da Ficção Científica para a Vida…?!

8 Fevereiro 2007

 © National Geographic

Este ser, que poderia sair de algum livro do Tolkien ou de outro autor apreciador de monstros, é um fóssil vivo. Foi fotografado vivo no Japão e não é assim tão monstruoso – tem 160 cm de comprimento.

Visto de lado parece uma enguia feia, mas tem seis guelras o que indica ser da família dos tubarões. A saber como é isso possível na National Geographic.

 

h1

Ecoline – O Ambiente em Portugal na Imprensa do Séc. XX

23 Dezembro 2006

O Ecoline parece ser um projecto interessante que disponibiliza informação ambiental organizada em diferentes níveis. Um dos seus principais objectivos é contribuir para a comunicação ambiental e para o tratamento e divulgação de informação de diversas proveniências: dados recolhidos na imprensa escrita para o século XX, imagens fotográficas e televisivas, históricas e actuais, e estatísticas de ambiente.

É possível pesquisar a informação disponível on-line através de temáticas, lugares, datas, dossiers sobre inquéritos e respectivos dados estatísticos.

Este projecto é desenvolvido pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e está integrado no programa OBSERVA – Ambiente, Sociedade e Opinião Pública e é financiado pelo programa POS-Conhecimento (FEDER) e do Instituto do Ambiente.

h1

TOP 100 – Questões ecológicas mais importantes

3 Agosto 2006

 

Mais de 650 investigadores, académicos, políticos e representantes de instituições públicas e privadas – reuniram-se recentemente com o objectivo de seleccionarem as questões ecológicas de maior interesse político no Reino Unido. O responsável por esta iniciativa foi Bill Sutherland, da Universidade de East Anglia do Reino Unido, investigador conhecido por promover actividades com o objectivo de ultrapassar as dificuldades de comunicação entre cientistas e políticos.

Apesar das divergências entre as partes – caracterizadas pela preferência das questões específicas por parte dos cientistas e pela preferência pelas questões generalistas por parte dos políticos –, os participantes seleccionaram 100 tópicos, a maior parte deles sobre a compreensão da biodiversidade e a eficiência da sua conservação. Essas questões foram distribuídas por 14 categorias:

> Serviços prestados pelos ecossistemas
> Agricultura
> Florestas
> Pescas, aquacultura e conservação marinha
> Desportos de campo e recreio
> Desenvolvimento urbano
> Espécies invasoras
> Poluição
> Alterações climáticas
> Produção de energia e gestão do carbono
> Estratégias de conservação
> Gestão e restauração dos habitats
> Uso e interligação das paisagens e do solo
> Criação de espaço para água

O jornal científico Journal of Applied Ecology da British Ecological Society publicou a lista das 100 questões ecológicas que foram consideradas como as que necessitam de acção política mais urgente.

 

RC
Fonte: Euroactiv

h1

Debate – Conservação da Natureza, Meios de Comunicação Social e Sociedade Civil

27 Julho 2006

 

A Conservação da Natureza e da Biodiversidade
Os Meios de Comunicação Social e a Sociedade Civil
28 de Julho, 17h, sede da LPN

No Dia Nacional da Conservação da Natureza, 28 de Julho, a LPN comemora o seu 58.º aniversário, assinalando a data com a realização de um debate sobre o tema “A Conservação da Natureza e da Biodiversidade – Os Meios de Comunicação Social e a Sociedade Civil”.

As questões relacionadas com a Conservação da Natureza são muitas vezes complexas e exigentes, obrigando a soluções de consenso, num balanço que só é aceite numa sociedade informada e participativa.

Partindo de alguns exemplos concretos, pretende-se discutir e escrutinar as razões para a existência de algumas lacunas na passagem da mensagem dos especialistas e das ONGA através da comunicação social.

Consciente das potencialidades que a comunicação social tem enquanto fonte de informação sobre ambiente e ciente do seu poder na influência da opinião pública, a LPN procura, com este debate, encontrar formas de ultrapassar essas lacunas.

A LPN desafia todos quantos queiram contribuir para enriquecer este debate, que conta já com nomes respeitados dos vários quadrantes, da comunicação social, aos representantes das ONGA e outros representantes da sociedade civil.

17h – Abertura – Presidente da LPN, Eugénio Sequeira

17h15 – O papel da Comunicação Social: desafios e dificuldades
> Pedro Brinca (Setúbal na Rede)
> Carla Tomás (Expresso)

17h30 – Debate moderado por Mário Batista Coelho

19H – Bolo de aniversário da LPN

Importante – Agradece-se confirmação de presença até 5ª feira, dia 27 de Julho.

Liga para a Protecção da Natureza – LPN
Tel: +351 217 780 097
E-mail: lpn.natureza@lpn.pt
http://www.lpn.pt

 

h1

Wikibooks e Livros de Ciências

18 Julho 2006

 

Tenho andado desaparecida destas paragens nos últimos dias, mas hoje resolvi pôr as leituras e as escritas com “Ideias em Ciência, Tecnologia e Ambiente” em dia.

Já não sei como fui arranjar o site do Wikibooks – Definição de Wikibooks. Fui dar com o link guardado na lista de espera dos “Favoritos”. Espreitei e descobri que estão disponíveis dezenas de wikilivros sobre Ciências. Ora espreitem vocês:

> Natural Sciences Bookshelf

> Technology bookshelf

> How-tos bookshelf

> Wikiversity: Bioethics 

> Field Guide

> Wiki Science

Também existe um Wikilivros PT em Português, claro!

O que eu gostava de ter tempo para descobrir se realmente os Wikilivros têm qualidade científica e técnica… Receio que não tenham, mas… a Wikipedia tem tido o poder de surpreender.

RC

h1

Leituras – Portugal: O Vermelho e o Negro

18 Julho 2006

 

Pedro Almeida Vieira lançou, no dia 13 de Julho, o seu último livro Portugal: O Vermelho e o Negroda editora Dom Quixote. O conhecido jornalista de Ambiente e autor do Estrago da Nação dedicou-se neste livro à temática dos incêndios florestais no nosso país.

Sinopse: Nas últimas duas décadas e meia, os incêndios devastaram uma extensão equivalente a um terço do território de Portugal. Um ritmo que deixa «invejosas» as chamas que desflorestam a Amazónia. Nestes ataques, o saldo tem sido tenebroso: dezenas de mortos, milhares de casas calcinadas e a destruição de pinhais, eucaliptais e montados de sobro e azinho, com efeitos sociais e económicos aterradores. Jamais na longa História de Portugal, de guerras intermináveis e batalhas sanguinárias, um outro inimigo conseguiu o prodígio de tão rápida, fácil e dilacerante destruição.

Neste livro, usando uma linguagem simples e incisiva – sustentada em dados surpreendentes e análises inéditas –, o autor prova que os incêndios florestais não são afinal uma tragédia inesperada. Antes são a consequência de erros crónicos, misturados com mentiras dolosas, deturpações intencionais, evidentes fraudes e insuportáveis irresponsabilidades. Um livro que revela, em detalhe, a verdade amarga por detrás dos incêndios florestais em Portugal – ou seja, a dolorosa realidade que governantes, autarcas e bombeiros não admitem… e, por isso, não querem alterar.

A única verdade é a realidade – Aristóteles

 

RC

h1

Escola de Verão na FCSH-UNL

21 Junho 2006

 

Neste dia de Solstício, recebi a informação de que a Faculdade de Ciências Sociais Humanas da Universidade Nova de Lisboa vai realizar a primeira Escola de Verão com vários cursos disponíveis durante o mês de Julho.

Se pudesse realizar todos os que me apetecesse, participaria nestes aqui em baixo, que parecem mais giros:

– Saber "Ler" um Jardim
– Comunidades e Culturas Ribeirinhas
– Gentes e Ambientes
– Ética e Bioética
– Ecologia humana e desenvolvimento sustentável
– A Zona Costeira de Portugal: Problemas e Desafios de Ordenamento

 

RC
Imagem de RC

h1

8 Junho – Dia Mundial dos Oceanos

8 Junho 2006

 

Em 1992, durante a Cimeira da Terra (Conferência do Rio) foi criado o Dia Mundial dos Oceanos. A comemoração deste dia é uma excelente oportunidade para chamar a atenção para a importância dos Oceanos para o equilíbrio ecológico da Terra e actualmente é um ponto chave no tema das alterações climáticas, muito em voga – já não era sem tempo! – nos órgãos de comunicação social em todo o mundo.

Hoje realizam-se actividades e eventos relacionados com o mar e o homem em muitos países.

Para quê preocupar-me com os Oceanos?

Porque os Oceanos…

… geram a maior parte do oxigénio que respiro

… alimentam-nos

… regulam o nosso clima

… limpam a água doce que bebo e utilizo no dia-a-dia

… fornecem fármacos com potencial para tratamento médico

… Oferecem-me inspiração ilimitada!

Para conhecer mais…

> Oceanário
> Aquário Vasco da Gama
> The Ocean Project
> World Ocean Day
> World Ocean Network

RC
Imagem de RC