h1

GripeNet 2007/2008 – A gripe em directo

2 Novembro 2007

O GripeNet está de volta pelo terceiro ano com algumas novidades, entre elas novos mapas mais interactivos, o projecto está agora acessível a cegos. O projecto conta este ano com o apoio da Universidade do Porto e da Universidade de Évora.

Inscrevendo-se no site www.gripenet.pt , qualquer cidadão do continente ou ilhas pode participar activamente neste sistema, através do preenchimento de um questionário semanal de sintomas. São gerados automaticamente curvas de incidência gripal e mapas com a distribuição dos casos de gripe ao longo do território nacional.

A informação assim recolhida complementa aquela que é obtida pelos métodos de vigilância convencionais, possibilitando uma detecção precoce de eventuais anomalias (surgimento de pandemias) e uma captação de pessoas que recuperam sem recorrer aos serviços de saúde.

Este trabalho é acompanhado pelo desenvolvimento de modelos matemáticos e plataformas computacionais com capacidade para simular a propagação da gripe em Portugal e avaliar cenários de intervenção.

Este ano, numa parceria com as Universidades do Porto e de Évora, os alunos, professores e funcionários destas duas instituições do ensino superior terão uma zona especifíca para a sua própria monitorização da gripe.

A importância do alerta precoce

Durante uma epidemia típica de gripe, cerca de 5 a 15% da população é afectada por infecções respiratórias. Para além de constituir uma séria ameaça à saúde dos mais novos, dos mais velhos e de pessoas com doenças crónicas, a gripe é também responsável por ausências ao trabalho e à escola, causando uma perturbação social e económica significativa. É causada por um vírus Influenza, facilmente transmissível pelas gotículas projectadas num espirro. Ocasionalmente, no entanto, a gripe é causada por um vírus de um novo subtipo, que, não sendo reconhecido pelo sistema imune, causa uma pandemia de grandes dimensões, ameaçando até os mais saudáveis.

Estes eventos são difíceis de prever e, por isso, importa detectar o mais rápido possível um surto de dimensões acima do normal, de forma a desencadear medidas de prevenção e terapêutica. O Gripenet permite antecipar em cerca de uma semana a leitura da situação epidémica da gripe. De tal forma, que, recentemente, responsáveis do Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças, com sede em Estocolmo, consideraram que o projecto pode ser uma ferramenta importante para a detecção antecipada de pandemias (como a da gripe das aves), adiantando que há interesse da Comissão Europeia em implementar o sistema em toda a Europa. Actualmente, para além de Portugal, participam a Bélgica e a Holanda; a Itália prepara-se este ano para o adoptar.

Simultaneamente, a equipa do Gripenet vai extraindo outras informações úteis em matéria de saúde pública. Por exemplo, que é mais provável um holandês ficar em casa, quando contrai gripe, do que um português. Ou que os chamados suplementos vitamínicos não parecem conferir maior protecção perante o vírus da gripe.

Nas duas últimas campanhas (sempre de Novembro a Abril), mais de 10.000 portugueses participaram activamente no projecto.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: