h1

Diferentes olhares sobre os “objectos científicos”

17 Setembro 2007

Diferentes olhares sobre os “objectos científicos”
Patrícia Noronha
(artista residente no ITQB)

A ciência usa uma linguagem e uma metodologia específicas: fundamenta-se no pensamento lógico e indutivo, na observação e na experimentação. Os artistas trabalham a nível das impressões e das ideias usando todo o tipo de materiais na representação e implementação dos seus projectos. Como a ciência, a produção artística alimenta-se da curiosidade e da necessidade de inovação. De facto, ambas as práticas assentam no conhecimento, na investigação, criatividade e imaginação. O diálogo entre a arte e a ciência tem um papel de linguagem social contribuindo para a auto reflexão na nossa sociedade.

Neste projecto propomo-nos fazer uma reflexão sobre a interacção entre a experimentação artística e a prática da ciência. Para isto, o trabalho irá decorrer principalmente em ambiente laboratorial, usando materiais de laboratório e artísticos.
Serão construídas peças que mimetizam “objectos científicos” mas que não pertencem a esse domínio. Por exemplo, serão usadas placas de Petri e resina de poliéster corada para recriar colónias de microorganismos e serão feitas colagens de telas pintadas com sequências de ADN em placas de Petri. Estas montagens serão realizadas numa câmara de fluxo laminar.

Numa segunda fase que designaria por fase analítica, pretende-se explorar as diferentes percepções que se estabelecem ao olharmos para um mesmo “objecto científico”. Para isto, a preparação dos objectos será filmada em vídeo e/ou fotografada. Estas fotografias e/ou vídeos vão funcionar como um segundo olhar sobre a primeira intervenção. Finalmente, os objectos e o trabalho fotográfico e/ou videográfico serão mostrados a pessoas das áreas científica e artística e serão escritos pequenos textos acerca do que viram. Estes textos irão funcionar como um terceiro olhar sobre o que foi realizado.

No fim do projecto será realizada uma exposição onde se incluirão os objectos construídos bem como as fotografias e/ou vídeos. Os “objectos científicos” serão expostos na forma de instalação; as placas de petri serão instaladas numa câmara de fluxo laminar (peça intitulada “Displacement”), de modo a transportar uma “parte” do laboratório para um ambiente que não lhe pertence, o espaço das exposições artísticas. Essa deslocalização do ambiente laboratorial irá funcionar como um modo de desmistificação do que é o campo de trabalho dos cientistas. Os textos produzidos serão o guião da exposição.

Fonte: ITQB-UNL

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: